Biometil

Uso da Mesoterapia para Alopecia Androgenética: uma revisão de literatura

Maria Claudia Kowalski Sei | Byron José Figueiredo Brandão | há 3 meses

Use of Mesotherapy for Androgenetic Alopecia: a literature review

 

Resumo

Introdução

Caracterizada pela perda progressiva dos cabelos e/ou pelos, a Alopecia Androgenética afeta ambos os sexos, sendo mais comum em homens. Como método de tratamento a intradermoterapia/ mesoterapia com a administração do Minoxidil/Finasterida tem como objetivo de controlar/minimizar a perda de cabelo.

Objetivos

Identificar artigos científicos nacionais e internacionais que abordem o uso da mesoterapia no tratamento da alopecia androgenética.

Materiais, Sujeitos e Métodos

Trata-se de uma revisão narrativa de literatura de publicações em periódicos. Onde realizou-se uma busca bibliográfica por meio das fontes de busca constituídas pelos recursos eletrônicos nas seguintes bases de dados: Lilacs, Medline, e SciELO, publicados no período de 2009 a 2019.

Resultados

A mesoterapia como uma terapia alternativa menos invasiva, tem como função aumentar a microcirculação local, retardar o processo de involução dos folículos pilosos e estimular o seu desenvolvimento através do trauma ocasionado pela agulha na derme. Sendo o minoxidil a droga de primeira escolha para o tratamento.

Conclusões

Embora não exista estudos que comprovem um tratamento ideal para a Alopecia Androgenética, o principal tratamento não invasivo, baseia-se na intradermoterapia/mesoterapia que envolve aplicações de ativos no couro cabeludo cujo objetivo principal é controle da perda de cabelo.

Abstract

Characterized by the progressive loss of hair and / or hair, Androgenetic Alopecia comprises a non-healing form of alopecia, affecting both sexes, being more common in men. As a noninvasive treatment method intradermotherapy / mesotherapy with the administration of minoxidil and / or finasteride has been applied to control or minimize hair loss. Objectives: To identify national and international scientific articles that address the use of mesotherapy in the treatment of androgenetic alopecia. Results: Although there are no studies showing optimal treatment for Androgenetic Alopecia, with high efficacy and reduced or no adverse effects, the main non-invasive treatment is based on intradermotherapy / mesotherapy involving active scalp applications aimed at main is hair loss control.

Autor/Coautor/Orientador.

Maria Claudia Kowalski Sei
Pós-graduanda em Dermatologia
Faculdades BWS
Brasil.

Byron José Figueiredo Brandão
Professor - Dermatologia
Faculdades BWS
Brasil

Palavras-chave Alopecia. Cabelo. Mesoterapia. Terapêutica.

Keywords Alopecia. Hair. Mesotherapy. Therapy.

 

INTRODUÇÃO


  Envolvido na percepção sensorial como um órgão mecanosensorial funcionalmente distinto, o cabelo é uma caraterística única encontrada no ser humano e que exerce uma função de termorregulação, proteção física, renovação e regeneração tecidual, servindo como um instrumento de comunicação psicossocial 1-3.

  Ocorrendo num ciclo estritamente definido que inclui a regeneração periódica dos folículos, alterações no comportamento dinâmico do folículo capilar, podem ser atribuídos a distúrbios do crescimento, dentre os quais encontra-se a Alopecia 4.

  Compreendendo num distúrbio que afeta o crescimento do cabelo, e que provoca a perda total e/ou parcial do cabelo. A Alopecia provoca alterações significativas na aparência e cria impacto emocional no doente o que desencadeia a procura por tratamento 3.

  Geralmente associado a um problema por motivos cosméticos e psicológicos, mas que também pode ser um sinal importante de doença sistêmica, a Alopecia constitui uma afeção caracterizada pela diminuição ou ausência de cabelos e/ou pelo. Podendo ainda ser descrita como a perda de cabelo em áreas onde normalmente eles deveriam crescer 3,5,6.

  Considerada uma doença dermatológica inflamatória crônica comum que afeta os folículos pilosos, a Alopecia pode ser classificada em focal ou difusa e pela presença de cicatrizes anormais 7, também definida por cicatricial ou não-cicatricial, dependendo se a perda de cabelo é permanente ou não, conforme a área do cabelo atingida (bulbo, matriz do cabelo, etc) 5.

  Descrita pela Organização Mundial da Saúde 6, como “perda de cabelo em áreas onde normalmente eles deveriam crescer”. A Alopecia pode ser decorrente de influências genéticas, de processos inflamatórios locais ou de doenças sistêmicas.

  De etiologia e subsequente desenvolvimento ainda não totalmente esclarecidos, sua patologia está correlacionada a uma inflamação crônica que afeta os folículos pilosos, onde a Alopecia manifesta-se quando alguma das diferentes fases do ciclo de crescimento do cabelo é alterada. E apesar de não ser dolorosa, a doença problemas físicos resultantes da perda dos cílios e pestanas, bem como algumas irritações na pele 3-7.

  Comum entre o sexo masculino - estima-se que 80% dos homens com mais de 80 anos sofram do problema - segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia – SBD 8, a Alopecia Androgenética também afeta mulheres.

  Estudos de Mulinari-Brenner, Seidel e Hepp 9, afirmam que a Alopecia Androgenética é provavelmente a forma mais comum de perda de cabelo em pacientes do sexo masculino e idade mais avançada. Onde segundo autores, observou-se uma prevalência menor no sexo feminino, dado seu diagnóstico ser mais difícil e sua manifestação ser menos característica.

  Classificada como Alopecia não-cicatricial, caracterizando-se por uma perda progressiva do diâmetro, comprimento, e pigmentação do cabelo; e desencadeada por inúmeros fatores de ordem genética e hormonal, a Alopecia Androgenética ou calvície, é uma forma mais comum de queda de cabelos geneticamente determinada. Que acomete homens e mulheres por volta dos 40 ou 50 anos, podendo ainda se iniciar na adolescência, quando o estímulo hormonal aparece e faz com que, em cada ciclo do cabelo, os fios venham progressivamente mais finos 8, 10,11.

  Dentre os métodos de tratamento disponíveis, destaca-se a intradermoterapia e/ou mesoterapia capilar, que consiste na aplicação de injeções intradérmicas no couro cabeludo para estímulo do crescimento capilar 12.

  Neste sentido, considerando que a valorização do cabelo na sociedade é bastante destacada devido à simbologia que representa o indivíduo e que situações que envolvem a queda dos cabelos podem influenciar nas relações interpessoais e sociais dos indivíduos acometidos 12-14, torna-se relevante identificar e analisar a eficácia do uso da mesoterapia no tratamento da alopecia androgenética.

MATERIAIS, SUJEITOS E MÉTODOS

Tipo de estudo

  Trata-se de uma revisão narrativa de literatura de publicações em periódicos.

Operacionalização da coleta de dados

  Realizou-se uma busca bibliográfica por meio das fontes de busca constituídas pelos recursos eletrônicos nas seguintes bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Health Information from the National Library of Medicine (Medline), e na biblioteca eletrônica Scientific Eletronic Library On-line (SciELO), publicados no período de 2009 a 2019.

  Foram utilizados os seguintes descritores: Alopecia (Alopecia); Cabelo (Hair); Mesoterapia (Mesotherapy); Terapêutica (Therapeutics);

  Salienta-se que os descritores supracitados encontram-se nos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS).

  A coleta dos dados ocorreu no decorrer do segundo semestre de 2019.

  Depois de identificados os artigos, estes foram analisados e os que atenderam aos objetivos do estudo, estavam no idioma português e foram publicados nos últimos 10 anos, foram incluídos no roteiro para registro.


Tratamento dos dados e apresentação dos resultados

  Após a identificação dos artigos, nas fontes de busca mencionadas, foram avaliados os títulos e resumos, de modo a selecioná-los. Sendo elencados os artigos que fizeram parte da amostra, sendo registrados em ficha própria contendo dados do periódico, base de dados, idioma, ano de publicação, objetivos, resultados e conclusões.

  Os resultados contemplarão as principais características dos artigos utilizados na pesquisa.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

  Estudos de Nantes 15 descrevem a Alopecia Androgenética como sendo “uma manifestação dermatológica crônica, caracterizada por uma perda parcial ou total dos fios e/ou pelos e considerada a forma mais frequente de alopecia não cicatricial tanto em homens quanto em mulheres desencadeado por hormônios andrógenos em indivíduos que possuem predisposição genética”. Neste sentido, a mesoterapia como uma terapia alternativa menos invasiva, tem como função aumentar a microcirculação local, retardar o processo de involução dos folículos pilosos e estimular o seu desenvolvimento através do trauma ocasionado pela agulha na derme. Sendo o minoxidil a droga de primeira escolha para o tratamento em mulheres no período fértil e a finasterida para homens devido a inibição da ação da testosterona.

  Estudos de Garcia 16 estabelecem que as substâncias, já bem conceituadas na intradermoterapia/mesoterapia, são medicamentos estéreis, aplicados rotineiramente, de forma intradérmica e/ou subcutânea superficial o mais próximo possível da patologia a se tratar, através de microdoses em cada ponto. Como vantagens do tratamento “in loco”, em relação ao sistêmico, onde observa-se diminuição dos efeitos adversos e colaterais.

  Neste sentido, estudos de Herreros 17, definem que o procedimento básico das injeções intradérmicas varia muito de um estudo para outro, o que reflete a falta de um padrão metodológico que sustente a mesoterapia. Mas, que de todos os parâmetros descritos, parece que apenas a profundidade da injeção na mesoterapia foi definida a partir de estudos científicos. Assim, afirma-se que a via intradérmica conta com uma farmacocinética própria e, por isso, são recomendáveis injeções a menos de 4mm de profundidade.

  De diferentes métodos de intervenção, no Brasil duas drogas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Food and Drug Administration (FDA) e que se destacam na mesoterapia por apresentar maiores evidências de resultados no tratamento da Alopecia Androgenética são a finasterida - um hormônio antiandrogénio e seu mecanismo de ação é atuar inibindo a conversão de T em DHT nos FP, desta forma diminui a ativação do AR pelo DHT, impossibilitando assim a miniaturização dos FP - e o minoxidil - um vasodilatador periférico que inicialmente foi desenvolvido como anti-hipertensivo, por promover a diminuição da resistência vascular periférica através do relaxamento da musculatura lisa da arteríola - (solução capilar 2% e 5%), ambas de uso contínuo para obtenção de resultados satisfatórios 14,15, 18.

  Para Nantes 15, esse tipo de técnica é indicado como terapia alternativa para estimular o crescimento capilar na Alopecia Androgenética. Preconiza-se, portanto, a utilização de agulha com bisel de 4 mm de comprimento, cuja aplicação consiste na introdução de uma agulha perpendicularmente ou formando um ângulo de 30º a 60º, penetrando a uma profundidade máxima de 4mm na área escolhida a ser tratada, e cujas aplicações podem ocorrer entre 4 a 10 sessões, semanalmente ou mensalmente.

  Assim, os resultados podem ser vistos após quatro meses de tratamento, mas caso a resposta seja eficiente, a intervenção deve ser contínua e por tempo indefinido, uma vez que a eficácia da terapia somente é observada com o uso constante do medicamento, ou seja, após o término da terapia, ocorre uma queda vagarosa dos cabelos 15,19.

   Quantos aos efeitos do tratamento, Borges 20 estabelece que:

                                                        Os efeitos colaterais mais comuns da mesoterapia são hematomas e inchaço no local da injeção. A coceira leve dura apenas algumas horas após o tratamento. Também é possível aparecer cicatrizes                                                                                             no local da injeção, onde foi feito o tratamento de mesoterapia. Além disso, o local da injeção também pode sofrer os efeitos na pigmentação da pele e até mesmo a possibilidade de uma úlcera.

  Por fim, Herreros et. al 17 estabelecem outras complicações relatadas, quais são: erupção liquenoide, indução de psoríase, urticária, necroses cutâneas, lúpus eritematoso sistêmico, paniculite, acromia e atrofia. Segundo autores, tais complicações são atribuídas ao uso de técnica inadequada e/ou ao efeito do medicamento em si.


CONCLUSÕES / CONSIDERAÇÕES FINAIS


  Considerando os aspectos analisados, pode-se firmar que a Alopecia Androgenética, é forma mais frequente de alopecia não cicatricial, caracterizada pela perda parcial ou total dos fios e/ou pelos, desencadeado por hormônios andrógenos em indivíduos que possuem predisposição genética e que afeta tanto homens como mulheres, porém mais comum em homens.

  Embora não exista estudos que comprovem um tratamento ideal para a Alopecia Androgenética, com uma elevada eficácia e efeitos adversos reduzidos ou nulos, o principal tratamento não invasivo, baseia-se na intradermoterapia/ mesoterapia que envolve aplicações de ativos no couro cabeludo cujo objetivo principal é controle da perda de cabelo.

  Tendo como principais ativos terapêuticos a administração do minoxidil e/ou a finasterida, com o uso de agulha com bisel de 4 mm de comprimento, perpendicularmente ou formando um ângulo de 30º a 60º e profundidade máxima de 4mm na área a ser tratada e aplicações semanal ou mensalmente, variando entre 4 a 10 sessões, visando o retardamento do processo de involução dos folículos pilosos e a estimulação de seu desenvolvimento através do trauma ocasionado pela agulha na derme.

  Recomenda-se estudos adicionais sobre o tema haja vista, não haver na literatura amplitude de informações sobre os benefícios e malefícios da mesoterapia no tratamento da Alopecia Androgenética.

REFERÊNCIAS


1. Pei D, Xu J, Zhuang Q, Tse HF, Esteban MA. Induced pluripotent stem cell technology in regenerative medicine and biology. Adv Biochem Eng Biotechnol [Internet]. 2010 [Cited 2019 Oct 11]; 123(2):127-41. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20549468.


2. Buffoli B, Rinaldi F, Labanca M, Sorbellini E, Trink A, Guanziroli E, et al. The human hair: From anatomy to physiology. Int J Dermatol [Internet]. 2014 [Cited 2019 Nov 14]; 53(3):331-341. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/24372228.


3. Oliveira I, Machado CC. Calvície e Alopecia: Revisão Bibliográfica [Dissertação]. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias, Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde, 2017 [Cited 2019 Nov 14]. Available from: http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/8402/Calv%C3%ADcieeAlopecia_Revis%C3%A3oBibliografica.pdf?sequence=1.


4. Hunt N, Mchale S. The psychological impact of alopecia. Psychologist [Internet]. 2007 [Cited 2019 Oct 23]; 20(6):362-364. Available from: https://thepsychologist.bps.org.uk/volume-20/edition-6/psychological-impact-alopecia.


5. Weide AC, Milão D. A utilização da Finasterida no Tratamento da Alopécia Androgenética. Rev. PUCRS [Internet]. 2009 [Cited 2019 Nov 08]; 2(1):1-8. Available from: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/ article/view/5035.


6. BVS. Organização Mundial da Saúde. Qual abordagem para o paciente com queixa de alopecia? [Internet] Rio Grande do Sul: OMS; 2010 [Cited 2019 Oct 11]. Available from: https://aps.bvs.br/aps/qual-abordagem-para-o-paciente-com-queixa-de-alopecia/.


7. Levinbook WS. Alopecia. Manual MSD [Internet]. 2018 [Cited 2019 Out 10]. Available from: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3% BArbios-dermatol%C3%B3gicos/doen%C3%A7as-dos-pelos/alopecia.


8. Rabelo AS. Novas estratégias para o tratamento da alopecia [Dissertação]. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2015 [Cited 2019 Nov 10]. Available from: http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/6180/ TESE%20FINAL.pdf?sequence=1.


9. Mulinari-Brenner F, Seidel G, Hepp T. Entendendo a alopecia androgenética. Surg Cosmet. Dermatol. 2011;3(4):329-37.

10. SBD - Sociedade Brasileira de Dermatologia. Queda de cabelos. [Internet] 2019 [Cited 2019 Nov 10]. Available from: https://www.sbd.org.br/dermatologia/ cabelo/cuidados/queda-de-cabelos/.

11. SBD - Sociedade Brasileira de Dermatologia. Alopecia Androgenética. [Internet] 2019 [Cited 2019 Nov 03]. Available from: https://www.sbd.org.br/dermatologia/ cabelo/doencas-e-problemas/alopecia-androgenetica/25/.

12. Kutlubay Z, Karaku Ö. Hair: Therapy & Transplantation. Hair Ther Transplant. 2012;2(1):1000e102.

13. Vogt A, Mcelwee KJ, Blume-Peytavi U. Biology of the Hair Follicle. Berlin: Springer; 2008.

14. Cavalcanti CP. Protocolos de tratamento da Alopécia: uma revisão [Monografia]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2015. Available from: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/8683/1/PDF%20-%20Carla%20Pereira%20Cavalcanti.pdf.

15. Nantes MC, Paiva NS, Soares ALF, Santos JL, Eler JFC, Lopes LA. Ação do minoxidil e da finasterida através da Intradermoterapia no tratamento da Alopecia Androgenética. Braz. J. Surg. Clin. Res. [Internet]; 2018 [Cited 2019 Nov 10]; 24(2):166-175. Available from: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20181006_151504.pdf.

16. Garcia PG, Garcia FG, Borges FS. O uso da eletropólise na correção da assimetria no contorno corporal pós-lipoaspiração: Relato de caso. Revista Fisioterapia Ser. Ano I, 2006.

17. Herreros FOC, Moraes AM, Ferreira Velho PEN. Mesoterapia: uma revisão bibliográfica. An Bras Dermatol [Internet]. 2011 [Cited 2019 Oct 10]; 86(1):96-101. Available from: http://www.scielo.br/pdf/abd/v86n1/v86n1a13.pdf.

18. Gubert LC. Tratamento da alopecia androgenética associando o uso de minoxidil à técnica de microagulhamento: relato de caso [Monografia]. Rio Grande do Sul, Unijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2018.

19. Matos BN. Desenvolvimento de uma formulação tópica contendo nanopartículas de quitosana como estratégia para aumentar a penetração folicular do minoxidil sulfato no tratamento da alopecia androgênica [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília, 2014.

20. Borges FS. Dermato Funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo, SP: Phorte; 2010.